Estrategista do mal

De nada adianta a mudança porque o estrago está feito. Que o PL das fake news faça a sua parte punindo exemplarmente o mau caratismo dos seus disseminadores.

Estrategista do mal

Por Jorge Braga Barretto

A prisão de Steve Bannon por si só, embasada em provas irrefutáveis poderia retroagir perfeitamente às campanhas eleitorais de Trump e seu colega brasileiro, uma vez que, embora exímio fraudador, era acima de tudo conselheiro de ambos. Nas circunstâncias em que ocorreu, mesmo com a teimosia do engavetador Rodrigo Maia, teríamos elementos de sobra para acelerar o nosso impeachment. Como gostaria de ver a desmoralizada Lava Jato à frente das investigações, demonstrando o mesmo ímpeto com que condenou Lula à prisão por mera presunção, como já fartamente anunciado, para tirá-lo das eleições. Vou mais além, decidir pela anulação e convocação de novas eleições, o que certamente ocorreria se tivéssemos à frente de tudo, homens corajosos e dispostos a limpar toda a essa sujeira institucional, pouco importando a pandemia.

Aquele que idealizou a construção de um muro na fronteira com o México é o pai das fake news, além de espertíssimo pastor por conseguir ludibriar suas ovelhas em mais de 25 milhões de dólares. A grande diferença é que a pátria mãe da direita sabe aplicar suas leis como forma de preservar o respeito à soberania, mas subjuga países servis - como o nosso -, em que um arremedo de presidente chega ao cúmulo de bater continência para a bandeira yankee, certamente ansioso por ver o Brazil inserido na dita cuja como mais uma estrelinha. Acredito que a prisão de Bannon decretou previamente a derrota de Trump, deixando-o num beco sem saída e, por extensão, o reformatado Bozinho paz e amor.

De nada adianta a mudança porque o estrago está feito. Que o PL das fake news faça a sua parte punindo exemplarmente o mau caratismo dos seus disseminadores. Mais que nunca, fora Bolsonaro.

Jorge Braga Barretto
E-mail: jbbarretto@gmail.com